Atividade existe em todo o mundo e ganha força no Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro é uma bela cidade, com riquezas naturais sensacionais e que não podem ser vistas em outros lugares, o que ajuda a explicar porque recebe centenas de milhares de pessoas todos os anos.

A Polícia Federal levantou dados que foram apurados pelo Ministério do Turismo, os quais mostraram que 6,588 milhões de estrangeiros visitaram o Brasil em 2017 e 20,5% (1,355 milhão) foram para o Rio de Janeiro, ou seja, a procura internacional pelo estado é bem grande.

Com paisagens fantásticas e atrações turísticas conhecidas em todo o mundo, os visitantes precisam da ajuda de alguém que conheça a região, como Free Walking Tours, capazes de te ajudar com tudo o que você precisa conhecer.

Vamos saber quais são suas raízes históricas e como funciona esse serviço, de modo que você entenda exatamente o quão benéfico ele é!

Quando aconteceu o primeiro Free Walking Tour?

De que se tem notícia, em 2004 na cidade alemã de Berlim. Esse foi o ponto de partida de uma área com alto potencial de crescimento e que já existe em mais de 110 países por todo o mundo.

Alguns que possuem os destinos mais procurados são:

  • América do Sul: Brasil, Chile, Argentina, Peru, Colômbia, Uruguai.
  • Europa: Alemanha, Espanha, França, Grécia, Inglaterra, Itália, Suíça, Turquia.
  • América do Norte: Canadá, Estados Unidos, México, Porto Rico.
  • Ásia: Catar, China, Emirados Árabes Unidos, Hong Kong, Índia, Japão, Tailândia.
  • África: África do Sul, Egito, Etiópia, Marrocos.
  • Oceania: Austrália e Nova Zelândia.

O que são os Free Walking Tours?

São alternativas de turismo que visam apresentar os principais pontos de interesse de uma cidade ou região aos turistas, que aprenderão ainda mais sobre o local visitado, similar ao que é feito com guias turísticos, mas oferecido geralmente por jovens estudantes que conduzem o processo, chamados de walkers.

Outra diferença é que não há um preço estabelecido. Cada participante paga o quanto achar justo, como no sistema de gorjetas.

Os passeios são feitos em caminhadas, sem veículos ou outros meios de transporte, muito bom para conhecer de perto as principais atrações de cada destino.

Em cada Free Walking Tour, o walker deve passe aos visitantes o máximo possível de informações sobre os locais visitados, de detalhes históricos a curiosidades, o que nunca seria conhecido em uma visita individual.

Com comunicação leve, tranquila e simples, a experiência é enriquecedora para todos os participantes, que conhecem os lugares com riqueza de detalhes, economizam e, de quebra, podem fazer novos amigos ou colegas de viagem.

O que acontece nos Free Walking Tours do Rio de Janeiro?

Visitas e explicações legais e interessantes sobre alguns dos principais locais da cidade, como os que estão abaixo, acompanhados do local em que os walkers costumam se encontrar com os turistas para iniciar o passeio:

  • Boulevard Olímpico e Herança Africana: Relógio Histórico do Largo da Carioca;
  • Centro e Lapa: Relógio Histórico do Largo da Carioca;
  • Copacabana e Ipanema: Praça Jardim Eugênio.

Os passeios são feitos todos os dias e não é preciso reservar lugar, exceto quando é alta temporada ou os grupos são maiores de 10 pessoas. Como os pontos de encontro são lugares bem conhecidos, isso evita contratempos e confusões para que o grupo se reúna, além de eles poderem contar com o auxílio de apps de mapas e transporte urbano.

Via de regra, os passeios duram por volta de duas horas e meia e acontecem mesmo em casos de frio, chuva e outras condições climáticas similares. Além disso, a maioria é feita em inglês, que é conhecido como idioma universal e tem fácil compreensão por turistas de vários lugares do mundo.

Quanto pagar em cada Free Walking Tour no Rio de Janeiro?

Depende. O processo se parece bastante com o de gorjetas, em que a escolha fica por conta dos clientes. Esse, inclusive, é um dos principais diferenciais do passeio.

Mesmo sem valor mínimo ou máximo, os Free Walking Tours geralmente contam com contribuições de R$ 20 a R$ 50 quando feitos no Brasil, valor que pode ser diferente. Caso a pessoa tenha gostado muito do passeio, vale a pena contribuir com um valor maior para ajudar o walker que se dispôs a organizar a atividade.

Esse é um preço baixo, principalmente quando se compara com outras alternativas, como as agências de turismo, sem precisar abrir mão de conhecer os principais pontos e de ter momentos totalmente voltados à cultura local.

Os tours valem muito a pena por todo o mundo, o que não poderia ser diferente na cidade do carnaval, do samba e de praias maravilhosas, que traz curiosidades nem sempre conhecidas pelos turistas e que podem fazer a viagem ficar ainda mais bacana.

Agora que você já entendeu melhor como funciona, conte com o Free Walking Tour Rio de Janeiro quando estiver pela cidade maravilhosa e comprove como a experiência realmente vale a pena e porque ela foi capaz de ganhar o mundo!

Saiba como escolher o seguro viagem para os Estados Unidos. Viagem com segurança, seguro viagem é importante na hora de planejar a sua viagem